Há uma semana, mais precisamente no dia 10 de Março deste ano, chegou ao fim das suas transmissões o canal Infinito, canal da Turner que transmitia para toda a Latinoamérica desde 1994 (em 2012 saiu do ar no Brasil).
A mudança parece ser bem-vinda — e muito — pois desde 2010 começou a perder a sua audiência aos poucos. Vejamos alguns tópicos.
O NASCIMENTO
Infinito nasceu em 04/04/1994 e seu objetivo, inicialmente, era explorar o paranormal, o esoterismo e todo o lado oculto da sociedade. Sua sede era em Buenos Aires, na Argentina e seu sinal era pan-regional (isto é, você escutava o áudio em português ou espanhol e via o grafismo nos dois idiomas.).
A EXPANSÃO E O RECONHECIMENTO
Em 1996, sua logomarca é alterada para a forma mais conhecida: um elo seguido da palavra «infinito». Sua imagem corporativa dá um pouco de medo aos espectadores (assista na faixa 1 e 2 da playlist). Nesta época foi adotado o slogan «Infinito, sinal do novo milênio». Também foi por volta de 2000 a expansão internacional da canle, chegando a mais países da Latinoamérica.
OS ANOS ANTES DA QUEBRA
Em 2003 o slogan «Abra sua mente» é introduzido na imagem corporativa. Há gravações de 2007 mostrando alguns dos idents desse ano até 2008 (faixas 4-7).
2008: O ANO DA INESPERADA MUDANÇA
Em outubro de 2007, a Turner comprou este e outros 6 canais de TV da Claxson. Na realidade, os canais foram «devolvidos», pois a Imagen Satelital, antiga dona, se tornou a filial da Turner na Latinoamérica.
No final do ano seguinte (e não em 2009, como apontam os sites), todos os canais fizeram uma mudança de imagem corporativa (exceções do i.SAT e do MuchMusic, que demoraram um pouco a fazê-lo). Mas o Infinito, este mudou radicalmente. O canal passou a ter uma temática de casos de experiências de seres humanos de verdade (isto é, o paranormal deixou de ser alvo do Infinito). Ninguém esperava por esta mudança, que foi alvo de muitas críticas — mas não tantas quanto aquelas contra a mudança do Boomerang no mesmo período, que durou até janeiro de 2015. Realizou documentários como «BRIC», com Jorge Lanata (2010). Foi tanta insatisfação que levou ao fim do canal no Brasil, em novembro de 2012
2014: SEGUNDA FASE. O PRINCÍPIO DO FIM
Em 01/07/2014 o canal se transforma de novo. Mas desta vez com uma programação ainda pior: baseada em realities, como os que passam no A&E. Melhor nem comentarmos, apesar de ter uma excelente imagem corporativa (veja imagens aqui).
2015: O FIM DO CANAL
Finalmente, no dia 10 de Março de 2015, o canal sai do ar em toda a Latinoamérica (no País Adiel deixou de ser transmitido em 2008). Em alguns outros países ele será desligado nesta terça-feira (17). O TNT Series (notícias em breve sobre este canal, que substituirá o Glitz* por aqui) ocupou a sua vaga. Algumas séries do Infinito exibidas na última fase migraram para o truTV.